Introdução às HQs

Tintim, Asterix, Tio Patinhas, Bone, Hellboy e mais recomendações para os iniciantes na Nona Arte

Com o lançamento de As Aventuras de Tintim nos cinemas, um ótimo ponto de partida para começar a ler quadrinhos para qualquer um que goste das aventuras cheias de ação, humor e mistério de Steven Spielberg é a leitura da obra do belga Hergé. Todos os álbuns do repórter aventureiro Tintim estão disponíveis no Brasil, mas o ideal é evitar os primeiros, em que o quadrinista ainda explorava o potencial de seu universo (e flertava com estereótipos desagradáveis, comuns à sua época). Busque, portanto, os álbuns posteriores, como Rumo à Lua/Explorando a Lua ou O Templo do Sol, e os álbuns que inspiraram o filme, O Caranguejo das Pinças de OuroO Segredo do Licorne (sua sequência direta, O Tesouro de Rackham, o Terrível, deve ser adaptada na continuação do filme).

Na mesma linha europeia, em que a clareza dos traços e a elegância da arte favorecem o entendimento para qualquer um que nunca tenha lido uma HQ antes, valem a pena os álbuns de Asterix, o Gaulês. Todos também são facilmente encontrados aqui, ainda que os melhores sejam os realizados enquanto René Goscinny ainda estava vivo e fazia dupla com o ilustrador Albert UderzoAsterix e os Bretões pode ser um incrível – e viciante – ponto de partida.

Outra sugestão indispensável para quem gosta de uma boa aventura nesse estilo, que mistura humor e ação, são as histórias de Carl Barks com os patos da Disney. Barks desenvolveu todo o universo do Pato Donald, incluindo aí sua família e o Tio Patinhas, e os colocou em uma série de missões ao redor do mundo, em busca de tesouros perdidos e civilizações misteriosas. A cena da rocha rolante de Indiana Jones e os Caçadores da Arca Perdida, por exemplo, foi extraída de uma dessas histórias – que renderam também o divertido desenho animado Duck Tales – Os Caçadores de Aventuras (cujos episódios estão disponíveis no Brasil no serviço de vídeo on demandNetflix).

leia o artigo completo no Omelete

Anúncios

Porque os livros são tão caros no Brasil?

O economista Tyler Cowen discute no blog dele porque o custo dos livros no Brasil é tão caro:

1. Most Brazilians do not read.  I don’t mean they can’t read, I mean they don’t read for leisure so much.  I was stuck at the Sao Paulo airport for seven hours and did not see a single person reading a book, not once.

Taking that as given, low demand means high prices.  That’s why Stephen King paperbacks are cheap and Edward Elgar (the name of an academic publisher) tomes go for $100 and up.

2. Brazilian retailing is not in every way efficient.  Efficient retailing in the traditional sense is, by the way, bad for the quality of your food because it means it is easy to serve large numbers.  And Brazil has some of the world’s best food, and so inefficient retailing for its books.

3. No other supply source is right nearby and the Portuguese language does not produce an extremely thick market.  Note that the Portuguese of Portugal is very different from the Portuguese of Brazil.

4. The Brazilian currency may be overvalued at the moment, at least in purchasing power parity terms, due to Brazil’s commodity exports.

Eu acho que ele chegou bem perto de alguns dos problemas que enfrentamos por aqui. Os comentários também são bem interessantes.

artigo completo em inglês.

4a. Gincana de Leitura

É isso aí, estamos iniciando oficialmente a nova temporada da Gincana de Leitura. Com muitas mudanças dessa vez:

  • Agora a Gincana é semestral, para que todos tenham mais chance de virar o jogo
  • Agora tudo é contado a partir do número de páginas: 150 páginas para os livros e 1000 páginas para as HQs
  • Agora todos que atingirem a meta, ganharão um livro

Inscrevam-se no link à esquerda e comecem a registrar todas as suas leituras! Lembrem-se que nessa edição, o Klaus não pode ganhar, já que ganhou a edição passada.

Boa Leitura e Boa Sorte!

Feliz 2012

Olá pessoal,

Um feliz início de 2012 para todos!!!

Francisco está a todo vapor com os gadgets da Gincana para lançarmos em breve o novo regulamento, formulário de inscrição, formulário para registro de obras e planilha de controle.

Tudo isso para tornar a Gincana ainda mais participativa e constante!

A maior novidade é que agora a Gincana é semestral, de modo que a participação fica mais próxima, há mais chances de ganhar ao longo do ano e, caso alguém perca o prazo do primeiro semestre, pode entrar tranquilamente no próximo.

Mudamos também um pouquinho o lay-out do blog e criamos o twitter (@gincanaleitura). Para quem ainda está fora do grupo do Facebook, passa lá para ver os novos integrantes!

Outras novidades logo mais!

Até breve!